11 agosto 2010

REVOLUÇÃO FRANCESA(parte II)

Quem eram os:

Jacobinos?


Os jacobinos faziam parte de uma organização política, criada em 1789 na França durante o processo da Revolução Francesa. No princípio tinham uma posição moderada sobre os encaminhamentos revolucionários, porém, com a liderança de Robespierre, passaram a ter posições radicais e esquerdistas.


Após a queda de Robespierre em 1794, os jacobinos tiveram suas atividades proibidas na França, sendo dissolvido no ano de 1799.




Girondinos?


Os Girondinos faziam parte um grupo político moderado durante o processo da Revolução Francesa. Seus integrantes faziam parte da burguesia francesa. Eram assim chamados, pois faziam parte do partido político conhecido como Gironda. Liderados por Jacques Pierre Brissot, os Girondinos compunham o Terceiro Estado, junto com os Jacobinos e os Cordeliers.Os Girondinos defenderam, durante o processo da Revolução Francesa, a instalação de uma monarquia constitucional na França, após a queda do absolutismo. Portanto eram contrários ao radicalismo defendido pelos jacobinos. Com a instituição do regime do Terror pelos jacobinos, os líderes girondinos foram eliminados em outubro de 1793.




Montanhenses?


A Montanha (os Montanheses) foi um grupo político na Convenção Nacional.Durante a Revolução Francesa, os deputados da Assembléia Nacional Legislativa de 1791 que ocupavam os bancos mais elevados da Assembléia (a "Montanha"), tomaram o nome de Montanheses, enquanto os deputados dos bancos mais baixos receberam o nome de "Planície"Hostis à Monarquia, favoráveis a uma democracia centralizada, os Montanheses, próximos à pequena burguesia, apoiavam-se nosSans-culottes e combatiam os Girondinos, representantes da burguesia abastada, que conseguiram derrubar do poder em 2 de Junho de 1793.Dominando a Convenção e o Comitê de Salvação Pública, impuseram uma política de Terror.


Quem Foi Jean Paul Marad:


Médico, periodista e revolucionário franco-suíço nascido em Boudry, cantão de Neuchâtel, Suíça, conhecido historicamente como uma das figuras mais radicais dos setores populares do jacobinismo durante a revolução francesa. De origem modesta, estudou em Bordéus e em Paris e formou-se em medicina na Grã-Bretanha, onde começou a exercer a medicina e adquiriu alguma reputação como médico em Londres. Começou a escreveu textos científicos sobre física e fisiologia, ora em inglês ora em francês, mas viu frustrada a tentativa de reconhecimento de suas teorias filosóficas como a publicação A Philosophical Essay on Man (1773), um ensaio filosófico sobre o homem. Foi atacado por Voltaire por este o considerar extremamente materialista. De volta à França trabalhou como médico, em Paris (1777-1783), da guarda pessoal do Conde de Artois, irmão de Luís XVI e futuro Carlos X. Voltado inicialmente para as ciências, escreveu diversos artigos sobre eletricidade que foram bem recebidos pela Real Academia de Rouen. Porém, aos poucos seus textos foram ganhando conotações políticas até que a publicação Plan de législation criminelle (1780) foi rejeitada como subversiva. A negativa de seu ingresso na Academia de Ciências, aumentou sua hostilidade contra o Antigo Regime e acentuou suas idéias revolucionárias. Com o início da revolução francesa (1789) lançou o jornal L'Ami du Peuple, com claras incitações à ação violenta contra a aristocracia e os revolucionários moderados, tendo em vista sua revolta contra o nepotismo dos barões e o ódio aos asseclas do absenteísmo. Foi obrigado a fugir para a Inglaterra, mas durante seu período de refúgio continuou publicando seus artigos inflamatórios e enviando-os secretamente para o território francês, atacando com sucesso personalidades da aristocracia como Jacques Necker, o marquês de Lafayette, a comunidade, os emigrantes e o rei. Voltando à França, participou da formação da comuna de Paris (1792) e apoiou as execuções de nobres e religiosos contra-revolucionários. Foi eleito deputado por Paris para a Assembléia Constituinte, como membro dos montagnards, a facção radical, e contribuiu para a condenação de Luís XVI e a queda dos girondinos, facção moderada chefiado por Jacques-Pierre Brissot, e em parte contrária à execução do rei. Membro do Comitê de Vigilância da Comuna, deputado por Paris na convenção, e extremista por natureza, exigiu uma ditadura revolucionária e conclamou os patriotas parisienses a instar um motim contra os girondinos. Por isso foi assassinado por uma jovem girondina, Charlotte Corday, enquanto tomava um banho medicinal em sua casa, em Paris. Os sans-culottes, designação dada aos indivíduos das camadas populares na época da Revolução Francesa, devotaram um verdadeiro culto a sua memória e, na época, foi considerado como mártir da revolução e sepultado no Panteão. Posteriormente o Diretório, considerou seus atos revolucionários exagerados e seus restos mortais foram retirados do Panteão (1795).


O que representou a queda da batilha na revolução:

A queda da bastilha (prisão ),que representava o fim do absolutismo e da opressão,onde o rei Luiz XV teve acabar com a monarquia e fizeram a constituição.

em fim foi o início da Revolução Francesa e,devido ao fato de ser a primeira grande revolta em massa do povo pelo direito coletivo e assim inicia a era do conhecimento.

Lemas da revolução:

Antes da revolução francesa,os desmandos na França,eram excessivos.Depois dela,esse passou a ser o seu lema,pois ele é de fundo socialista,onde todos devem viver como iguais,sem grandes diferenças sociais,de renda e educação...

Liberdade=É viver sem pressões descabidas,embora seja preciso respeitar leis e normas.

Igualdade=É viver sem grandes diferenças e oportunidades entre todos os franceses.

Fraternidade=É a forma de se viver respeitando os limites de cada um harmoniosamente.


O que foi a convenção na revolução francesa:

Tropas francesas,formada em sua maioria pelos sans-culottes expulsaram os prussianos (Batalha de Valmi) que haviam invadido a

França com o objetivo de acabar com a revolução em apoio a Luís XVI.

Isto fortaleceu os radicais que substituiram a Assembléia Legislativa

pela Convenção Nacional, eleita por sufrágio universal masculino e também proclamaram a I República Francesa; o rei Luís XVI e sua mulher a Rainha Maria Antonieta são executados na guilhotina; eclode

a Revolta da Vendéia; os jacobinos criam com o Comitê de Salvação Pública (dirigido por Danton), com o objetivo de garantir a segurança interna; insurreição popular em Paris os sans-culottes liderados por Marat, Herbert e e pelo Padre Roux cercam a Covenção e prendem os

deputados girondinos; Robespierre passa a comandar o Comitê de

Salvação Pública; inicia-se a Fase do Terror, com o surgimento da

" Lei dos Suspeitos ", é suspensa a Constituição, os Direitos Individuais e a Divisão dos Poderes; a Convenção delega autoridade governamental ao Comitê de Salvação Pública que adota a repressão severa, a subversão interna, com a execução em massa dos opositores , principalmente os girondinos; os jacobinos desentendem-se e surgem duas facções : os enragés (queriam intensificar o terror)

e os indulgentes ( queriam o fim do terror); o Comitê de Salvação Pública prende os líderes das duas facções , que são executados na guilhotina; o Golpe 9 do termidor põe fim a esse período tão

conturbado, Robespierre e seus companheiros do Comitê de Salvação

Pública são executados na guilhotina; por fim ocorre a Reação Termidoriana, quando deputados centristas (Pântano) lideram a Convenção e a alta burguesia volta ao poder.

A sociedade francesa era dividida em classes sociais, ou Estados Nacionais:

* 1° estado – clero; cerca de 2% da população.

* 2° estado – nobreza; também 2% da população.

* 3° estado – burguesia: alta burguesia, média burguesia, baixa burguesia (artesãos, aprendizes, proletários, servos e camponeses semi ou livres).

Um comentário: